Cinco portugueses e uma Lisboa-fantasma no regresso do Festival de Cannes

Até ao próximo dia 28, a 75.ª edição do maior festival de cinema do mundo fará entrar em cena Cristèle Alves Meira, Tiago Guedes, Falcão Nhaga, João Pedro Rodrigues e João Gonzalez. E há também a Lisboa da francesa Céline Devaux.

trasosmontes,cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,festival-cannes,indielisboa,
Fotogaleria
Cristèle Alves Meira, João Pedro Rodrigues, Falcão Nhaga, João Gonzalez e Tiago Guedes: portugueses na Semana da Crítica, na Quinzena dos Realizadores, na Cinéfondation e em Sessão Especial dr
trasosmontes,cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,festival-cannes,indielisboa,
Fotogaleria
Luna Michel, a Salomé de Alma Viva dr
trasosmontes,cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,festival-cannes,indielisboa,
Fotogaleria
A edificação de um edifício obsessivo (utópico, já agora), em paisagens impossíveis: Ice Merchants, de João Gonzalez dr
trasosmontes,cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,festival-cannes,indielisboa,
Fotogaleria
Fogo-fátuo, de João Pedro Rodrigues dr
,Festival de Cinema
Fotogaleria
Mistida, de Falcão Nhaga dr
,Leopardo Filmes
Fotogaleria
Restos de Vento, de Tiago Guedes DR

O primeiro filme português a entrar em cena na 75.ª edição do Festival de Cannes, que esta terça-feira se inicia, será Alma Viva, de Cristèle Alves Meira. Passará logo no segundo dia, secção Semana da Crítica, território já antes frequentado pela luso-francesa de 39 anos, porque aí foram exibidas as suas curtas-metragens Campo de Víboras, em 2016, e Invisível Herói, em 2019. Mas também é uma estreia, Alma Viva: é uma primeira longa-metragem na história da cineasta.

Sugerir correcção
Comentar