José Ramos-Horta: “Timor vive em paz, mas não vive em tranquilidade”

“Às vezes, o estatuto de neutralidade beneficia-nos”, diz Ramos-Horta, que toma posse como Presidente de Timor-Leste dentro de dias. Devia ter sido tentado para a Ucrânia. “Agora não sei, talvez seja too late.” Breve balanço dos 20 anos da independência de Timor, das falhas, progressos e desafios. E um conselho para os jovens: estuda.

Foto
Jessica Hromas/Getty Images

José Ramos-Horta toma posse como sétimo Presidente de Timor-Leste na noite de 19 de Maio, em Tasitolu, nos arredores de Díli, horas antes de o país celebrar 20 anos de independência. Foi líder da resistência diplomática contra a ocupação indonésia, Prémio Nobel da Paz, ministro, primeiro-ministro e Presidente. Agora, aos 72 anos, e após uma década sem cargos governativos, foi eleito chefe de Estado de novo, nas eleições de Abril, com 62% dos votos. Recandidatou-se por sentir que o país está sem um governo forte, porque quer dar tranquilidade aos timorenses e para finalizar o processo de adesão à ASEAN.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários