Há uma nova geração lixada em Manchester

Desolação, precariedade, existências sonâmbulas. Era esse o imaginário da Manchester dos anos 80 dos Joy Division e da Factory. Décadas depois existe uma outra geração desalinhada (Blackhaine, Space Afrika, Iceboy Violet) que, de forma diferente, exprime as mesmas inquietações.

Foto
Blackhaine. Space Afrika. Iceboy Violet, Currentmoodgirl

Foi há dez anos. Estávamos na Universidade de Preston (UCLan), a 20 minutos de carro do centro de Manchester, na área metropolitana da segunda maior cidade inglesa, quando Peter Hook, histórico baixista dos Joy Division e dos New Order, dois dos grupos mais emblemáticos da região e dos mais influentes de sempre da música popular, parafraseou Tony Wilson, o mentor da editora Factory: “Ele dizia que o punk era uma forma de gritar ‘vão-se foder’! A minha geração, a que se seguiu logo ao punk, aqui em Manchester, o que tinha para gritar era: ‘estamos fodidos!’”

Sugerir correcção
Comentar