NATO

"Vocês causaram isto". Finlândia avança “sem demoras” com a candidatura à NATO

O Presidente e a primeira-ministra da Finlândia anunciaram, esta quinta-feira, a intenção de prosseguir com a candidatura à NATO. “A adesão à NATO vai fortalecer a segurança da Finlândia. Enquanto membro da NATO, a Finlândia reforçará toda a aliança de defesa”, referiu Sauli Niinistö, num encontro com Boris Johnson.

i-video

A Finlândia está muito próxima de deixar cair o estatuto de neutralidade de décadas, depois de o Presidente, Sauli Niinistö​, e de a primeira-ministra, Sanna Marin, terem emitido um comunicado conjunto, esta quinta-feira, a defender a adesão do país à NATO “sem demoras”.

Esta decisão histórica, cuja oficialização ainda depende da aprovação dos partidos e do Parlamento, surge como consequência directa da invasão da Ucrânia pela Rússia, país que partilha uma fronteira de mais de 1300 quilómetros com a Finlândia.

"Se perguntarem como [a Rússia] encara a adesão da Finlândia [à NATO], bem, se esse for o caso, se aderirmos [à NATO], a minha resposta será: “Vocês provocaram isto. Olhem ao espelho”", afirmou Niinistö.