“A mulher cigana não tem de ser só ‘livre’ para estudar e trabalhar dentro de uma cadeia”

No Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo nem os familiares podem censurar as mulheres ciganas nem os funcionários as podem enjeitar. Muitas sentem-se livres para estudar e trabalhar por conta de outrem. Saem com mais escolaridade e experiência de trabalho. E depois?

PP - 17  NOVEMBRO 2021 - MATOSINHOS -  ESTABELECIMENTO PRISIONAL  DE SANTA CRUZ DO BISPO SERIE PRISOES MULHERES CIGANAS CIGANA ELISA�
Fotogaleria
Elisa na escola do EP Santa Cruz do Bispo Paulo Pimenta
PP - 17  NOVEMBRO 2021 - MATOSINHOS - SANTA CRUZ DO BISPO SERIE PRISOES   IMULHERES ESTRANGEIRAS  mulheres  estrangeiras zona oficinal do EP de Santa Cruz do Bispo�
Fotogaleria
Oficinas do EP Santa Cruz do Bispo Paulo Pimenta
PP - 17  NOVEMBRO 2021 - MATOSINHOS -  ESTABELECIMENTO PRISIONAL  DE SANTA CRUZ DO BISPO SERIE PRISOES MULHERES CIGANAS  CIGANA EP de Santa Cruz do Bispo�
Fotogaleria
Entrada EP Santa Cruz do Bispo Paulo Pimenta
PP - 17  NOVEMBRO 2021 - MATOSINHOS -  ESTABELECIMENTO PRISIONAL  DE SANTA CRUZ DO BISPO SERIE PRISOES MULHERES CIGANAS  CIGANA EP de Santa Cruz do Bispo�
Fotogaleria
Exterior do EP Santa Cruz do Bispo Paulo Pimenta

Elisa tem urgência na voz. Quer dizer que caiu numa armadilha de pobreza, tradição, abandono escolar, discriminação. Espera sair do Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo, em Matosinhos, com o 12.º ano e experiência laboral. Será o suficiente para não voltar a cair?

Sugerir correcção
Ler 5 comentários