As três histórias de Maaza Mengiste que não esqueceremos mais

A autora de The Shadow King vai estar esta quarta-feira à noite na Biblioteca das Galveias, em Lisboa, à conversa com o académico Manuel Frias Martins. Na terça-feira a escritora e fotógrafa foi a convidada da segunda sessão das Conferências do Nobel, uma homenagem da etíope-norte-americana à obra de José Saramago.

Foto
Maaza Mengiste durante a sua palestra no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Lisboa Nuno Ferreira Santos

Três histórias, três imagens poderosas que não esqueceremos: foi isso o que nos deixou a segunda sessão das Conferências do Nobel que a escritora e fotógrafa Maaza Mengiste deu no final da tarde de terça-feira no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Lisboa. São elas: a ucraniana Antonina Pomazanko junto ao corpo da filha; a tortura de Germano Santos Vidigal presenciada pelas formigas; o sacrifício de uma prisioneira etíope cuja mente vagueia em direcção a casa. Quem não assistiu a esta homenagem da ficcionista e ensaísta etíope-norte-americana a José Saramago, cujos livros, considera a autora de The Shadow King, nos recordam “a importância daquelas pessoas que a história e a sociedade preferem ignorar”, pode vê-la esta quarta-feira, às 21h, na Biblioteca das Galveias, em Lisboa, em conversa com o académico Manuel Frias Martins.

Sugerir correcção
Comentar