Sindicatos

Milhares de trabalhadores saíram às ruas para pedir o fim da precariedade

Em Lisboa e no Porto, os trabalhadores saíram à rua. Ouviram-se os pedidos: um salário digno, menos horas de trabalho, o fim da precariedade.

Jovens desfilaram na Alameda, Lisboa Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Jovens desfilaram na Alameda, Lisboa Nuno Ferreira Santos

Pela primeira vez em dois anos, não houve restrições aos desfiles que assinalam o 1.º de Maio, em Lisboa e no Porto. Em ambas as cidades, os trabalhadores saíram à rua e os pedidos foram os mesmos: um salário digno, menos horas de trabalho, o fim da precariedade.

Em Lisboa, a CGTP defendeu que a situação extraordinária que se vive em Portugal, com a inflação a ultrapassar os 7%, exige “medidas extraordinárias” como o aumento do salário mínimo para os 800 euros a partir de 1 de Julho ou a actualização de todas as pensões em pelo menos 20 euros ainda este ano. “Falam em contas certas, mas quem trabalha e trabalhou vive na incerteza e com incapacidade de fazer frente às contas de cada mês. Meses que são cada vez maiores para os salários e as pensões”, sublinhou a secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha, no discurso que encerrou as celebrações do 1.º de Maio.

No caso da UGT, o novo secretário-geral da central sindical assumiu que o aumento do salário médio é fundamental e que o 1.º de Maio de 2023 poderá ser de luta caso as condições dos trabalhadores piorem até lá.

O espírito de Abril esteve presente
O espírito de Abril esteve presente Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Cartaz assinala um dos pedidos dos manifestantes: 35 horas de trabalho para todos
Cartaz assinala um dos pedidos dos manifestantes: 35 horas de trabalho para todos Nuno Ferreira Santos
A manifestação teve início no Martim Moniz e seguiu até à Alameda
A manifestação teve início no Martim Moniz e seguiu até à Alameda Nuno Ferreira Santos
A manifestação no Porto
A manifestação no Porto ADRIANO MIRANDA/PUBLICO
O discurso de Isabel Camarinha, líder da CGTP
O discurso de Isabel Camarinha, líder da CGTP