Segredos e mentiras de uma família calabresa

Não nos vai ser revelada uma família mafiosa, vai-nos ser mostrado o olhar de uma personagem a quem essa família se revela.

É um filme silencioso, e não há nenhum “expressionismo” no rosto da protagonista Swamy Rotolo
Fotogaleria
É um filme silencioso, e não há nenhum “expressionismo” no rosto da protagonista Swamy Rotolo
crime-organizado,mafia,critica,cinema,culturaipsilon,italia,
Fotogaleria
É um filme silencioso, e não há nenhum “expressionismo” no rosto da protagonista Swamy Rotolo
crime-organizado,mafia,critica,cinema,culturaipsilon,italia,
Fotogaleria
É um filme silencioso, e não há nenhum “expressionismo” no rosto da protagonista Swamy Rotolo
crime-organizado,mafia,critica,cinema,culturaipsilon,italia,
Fotogaleria
É um filme silencioso, e não há nenhum “expressionismo” no rosto da protagonista Swamy Rotolo

A Chiara é o terceiro título (depois de Mediterranea e A Ciambra) com o que o cineasta italo-americano Jonas Carpignano (dono de uma genealogia curiosa: caribenho por parte da mãe, e por parte do pai sobrinho de Luciano Emmer, um dos mais subestimados realizadores da época clássica do cinema italiano) tem filmado a mesma região da Calábria, uma das zonas mais pobres e socialmente mais complexas de Itália. Os filmes anteriores centravam-se em aspectos dessa complexidade, focando a chegada dos migrantes do norte de África ou a vida das comunidades ciganas; este, A Chiara, volta-se para um dos mais célebres atavismos calabreses: a ‘Ndrangheta.

Sugerir correcção
Comentar