Conserveira de Lisboa, uma espécie de museu que está sempre a inovar

A Conserveira de Lisboa venderá 300 mil latas por ano. Aqui existem receitas antigas e vontade permanente de inovar. Não é à toa que se chega aos 92 anos em grande forma.

conservas,peixe,alimentacao,gastronomia,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Conserveira de Lisboa: o sócio Tiago Cabral Ferreira Nuno Ferreira Santos
conservas,peixe,alimentacao,gastronomia,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Conserveira de Lisboa Nuno Ferreira Santos
conservas,peixe,alimentacao,gastronomia,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Conserveira de Lisboa Nuno Ferreira Santos
conservas,peixe,alimentacao,gastronomia,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Conserveira de Lisboa Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Conserveira de Lisboa Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Conserveira de Lisboa Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Conserveira de Lisboa Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Conserveira de Lisboa Nuno Ferreira Santos

Fernando Ferreira veio de Figueiró dos Vinhos para Lisboa aos 15 anos, a fim de servir como marçano na então Mercearia do Minho, fundada em 1930. Aos 18, cumpriu o serviço militar obrigatório. Como conhecia o que rendia a pequena casa da Rua dos Bacalhoeiros, amealhou tudo o que pôde na tropa e, com mais uns dinheiros da venda de terrenos na terra, comprou, no final dos anos 1930, uma quota da sociedade. O tempo passou, a mercearia especializou-se em conservas e, partir dos anos 1940, a história da Conserveira de Lisboa é a história de três gerações Ferreira. Fernando, Armando (filho) e, hoje, Tiago e Maria (netos). Tiago é o gerente que divide o tempo entre a empresa e a vida de professor na Universidade Nova de Lisboa, no universo dos microprocessadores. Quando a Fugas passou pela loja, Tiago estava atarefado com o embrulho manual das latas. “Tem de ser, acabaram-se as de bacalhau e a rua está cheia de turistas.”

Sugerir correcção
Comentar