Pode uma bienal de arte prenunciar o futuro da guerra na Ucrânia?

Numa Bienal de Veneza inevitavelmente marcada pelo conflito militar no Leste da Europa, a presença portuguesa parece ambiciosa. Além de Paula Rego na exposição internacional, e dePedro Neves Marques no Pavilhão de Portugal, mostram-se na cidade, em vários eventos paralelos, Pedro Cabrita Reis, Mónica de Miranda e Diana Policarpo.

Foto
Em plenos Giardini, o coração da Bienal de Veneza, a Piazza Ucraina materializa a centralidade da guerra no momento actual ANDREA MEROLA/EPA

Sugerir correcção
Comentar