Novo Banco: a anatomia do negócio que capturou o Estado na teia de Vieira

A almofada criada com risco do Estado com o argumento de segurar a solidez do Novo Banco permitiu cozinhar um caldo de oportunidades para uma coincidência de interesses em que todos se movimentaram com sentimento de impunidade.

Foto
Luís Filipe Vieira, em 2015, quando começou a desfiar-se o novelo da dívida do ex-presidente do Benfica ao Novo Banco. RIC Ricardo Campos

O Novo Banco considera-se a instituição mais escrutinada de sempre e a gestão apresenta-se como a garantia de salvaguarda do interesse público. Era o expectável. Mas há sempre outra opção quando decisões de venda de activos em larga escala estão protegidas por uma almofada de segurança de 3,9 mil milhões de euros.

Sugerir correcção
Ler 39 comentários