Hacker de Viseu disse ter acções das empresas de Elon Musk

O Omnipotent deu uma entrevista em Janeiro de 2021 na qual alegou que tinha como objectivo usar a plataforma que criou para divulgar dados confidenciais evitando que outros lucrassem com a venda e a compra dos mesmos e confidenciou que tinha acções das empresas do patrão da Tesla.

Foto
Actualmente o hacker português está detido no Reino Unido e aguarda a extradição para os Estados Unidos Kacper Pempel

Em Janeiro de 2021, praticamente um ano antes de ser detido no Reino Unido por suspeitas de ser o líder de uma das maiores plataformas de hackers do mundo, o Omnipotent, que o FBI acredita ser Diogo Santos Coelho, um português de 22 anos natural de Viseu, deu uma entrevista a dizer que tentava ser um cidadão cumpridor da lei e que, por isso, não estava preocupado com a eventualidade de a sua plataforma estar sob vigilância das autoridades.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários