“As pessoas não percebem que a reforma antecipada se pode converter numa armadilha”

No ensaio Meia Idade, António Fonseca, professor da Universidade Católica que se tem dedicado ao estudo do envelhecimento, descreve a meia-idade não como um tempo de espera, mas como um tempo de mudanças conscientes.

Foto
António Fonseca Rui Gaudencio

Está convencido de que “as questões do envelhecimento fazem mais sentido quando se começa a olhar para elas a partir do momento em que se começa a envelhecer”. Aproveitou o primeiro confinamento para pegar nas notas e nos materiais que acumulara ao longo de anos e escrever sobre a meia-idade. O ensaio Meia Idade, editado pela Coisas de Ler, tem um cunho pessoal. Afinal, esta é a fase da vida em que se encontra. O especialista em Psicologia do Desenvolvimento, com enfoque no processo de envelhecimento, conta 57 anos. Sem dramas. “A meia-idade é uma oportunidade de libertação de modos de pensar, sentir e agir instalados em nós desde cedo e com os quais já não nos identificamos ou que se revelam insatisfatórios para lidar com as realidades da vida actual.”

Sugerir correcção
Ler 25 comentários