Bini Girmay, um travo a desporto numa grande porção de humanidade

O triunfo de um corredor da Eritreia numa das principais corridas de ciclismo foi uma pedrada no charco da modalidade, pouco habituada a celebrar atletas negros.

racismo,modalidades,desporto,ciclismo,
Fotogaleria
EPA/STEPHANIE LECOCQ
racismo,modalidades,desporto,ciclismo,
Fotogaleria
EPA/STEPHANIE LECOCQ
racismo,modalidades,desporto,ciclismo,
Fotogaleria
EPA/STEPHANIE LECOCQ

O mundo, em geral, e o desporto, em particular, não têm tirado muito da Eritreia. No desporto, a relevância do pobre país do Leste de África assenta apenas em alguma tradição nos fundistas do atletismo (e mesmo aí está longe de ser uma potência), na origem de um futebolista de alguma craveira, Aleksander Isak, e, nos últimos anos, no aparecimento de um lote, ainda que reduzido, de ciclistas de valor médio. Mas isso está prestes a mudar.

Sugerir correcção
Comentar