O que acontece quando moléculas do parasita da doença do sono vestem um “manto de invisibilidade”

Equipa de cientistas portugueses desvenda novo mecanismo que pode explicar a virulência do parasita que provoca a doença do sono nos humanos e a nagana nos animais.

Alterações nas moléculas de ARN do parasita que causa a doença do sono protegem estas moléculas da degradação durante algum tempo
Fotogaleria
Alterações nas moléculas de ARN do parasita que causa a doença do sono protegem estas moléculas da degradação durante algum tempo Helena Pinheiro/IMM
ciencia,medicina,investigacao-cientifica,genetica,biologia,adn,
Fotogaleria
Alterações nas moléculas de ARN do parasita que causa a doença do sono protegem estas moléculas da degradação durante algum tempo Helena Pinheiro/IMM

Olhemos com uma atenção microscópica para o parasita da doença do sono, mais concretamente para a cauda de quase todas as suas moléculas de ARN. Aí, essas moléculas vestem “um manto de invisibilidade” – isto é, há alterações – que evita a sua degradação durante um certo tempo e as faz durar mais, o que pode ser crucial para a virulência deste agente patogénico. Este mecanismo agora desvendado é apresentado na última edição da revista Nature por uma equipa coordenada por Luísa Figueiredo.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários