Da reparação histórica à conspurcação da História

A lei portuguesa é agora uma “via verde” para a venda de passaportes europeus a quem os puder pagar, como o portuguesíssimo Roman Abramovich.

A entrevista que Constança Urbano de Sousa concedeu ontem ao PÚBLICO a propósito da lei que atribui a nacionalidade portuguesa aos descendentes dos judeus sefarditas é simultaneamente admirável e inacreditável. Admirável, porque tudo o que ela diz está certo, e é dito com uma coragem política digna de elogio. Inacreditável, porque a entrevista é uma declaração de incapacidade de resistência aos lobbies socialistas por parte de uma deputada do próprio PS. Constança Urbano de Sousa declara três coisas: 1) A lei de 2015, como está escrita, é má; 2) Ela própria tentou alterá-la em 2020; 3) Só que foi, infelizmente – e passo a citar –, “obrigada a desistir da proposta”. Vamos por partes.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.