Bloco não decapita líderes e o futuro desta liderança ainda está por ditar

Num partido que valoriza o “colectivo”, os dirigentes bloquistas preferem não falar da sucessão de Catarina Martins. Mas a discussão em torno do rumo estratégico do partido não deixa de ser uma prioridade. Porém, há condicionamentos que poderão prolongar a continuidade da actual coordenadora.

Foto
Catarina Martins durante a XII Convenção do Bloco de Esquerda Nelson Garrido

A mais de um ano da próxima reunião magna, o Bloco de Esquerda rejeita discutir a sucessão de Catarina Martins e aposta no debate sobre qual deverá ser o rumo estratégico do partido. Na cultura do Bloco, independentemente dos resultados eleitorais, não há lugar para a “decapitação” política de lideranças ― sublinharam já dirigentes do partido como Jorge Costa e Mariana Mortágua ― e, por outro lado, ainda faltam quatro anos (e duas convenções) até às próximas eleições legislativas.

Sugerir correcção
Ler 4 comentários