Mais do que duplicou o número de pessoas com vigilância electrónica. “Estão sempre a cair alarmes”

O serviço de vigilância electrónica que em 2017 fiscalizava 1088 medidas lida agora com 2609. Nas equipas de monitorização, a grande dor de cabeça é o afastamento entre agressores e vítimas de violência doméstica.

Foto
Técnico profissional de reinserção social Faustino Lopes discute caso com colega

Numa sala de monitorização, 24h por dia, 365 dias por ano, técnicos da Equipa de Vigilância Electrónica do Porto mantêm-se atentos aos sinais de alerta que vão surgindo nos ecrãs: um vigiado entrou no raio de protecção da vítima de violência doméstica, a unidade de posicionamento móvel de outro está a dar sinal de bateria baixa, outro saiu de casa durante o período de restrição…

Sugerir correcção
Comentar