Vaga de saídas do Chega é sinal de “falta de maturidade política”

Saídas do Chega durante os últimos meses não são expectáveis no Parlamento, uma vez que André Ventura escolheu um grupo “perfeitamente controlado, coeso e de total confiança” para garantir a consolidação do partido a longo prazo.

Foto
André Ventura já se demitiu várias vezes do partido em protesto contra as vozes discordantes dentro do Chega Reuters/STRINGER

Nos últimos meses, o Chega perdeu três autarcas eleitos em Setembro, um dos dois secretários-gerais e afastou a vice-presidente da distrital de Braga depois de a dirigente denunciar dívidas do presidente distrital e deputado eleito por Braga. As dissidências não são um fenómeno recente nem isolado. Desde o seu nascimento, os congressos do partido são marcados por trocas de acusações entre dirigentes e membros do partido e até o próprio líder e fundador, André Ventura, já se demitiu mais do que uma vez (para logo a seguir se recandidatar à liderança) com queixas de “boicote” à sua liderança.

Sugerir correcção
Ler 32 comentários