“Há redes mafiosas que têm o objectivo de explorar o trabalhador em Portugal”

Carlos Graça, director da unidade da ACT que fiscaliza o trabalho agrícola na zona de Odemira, diz que os fenómenos de exploração laboral agravados pela entrada em cena das empresas intermediárias, prestadoras de serviço, estão presentes em muitas outras partes do país.

Foto
Carlos Graça dirige a Unidade Local do Litoral e Baixo Alentejo da Autoridade para as Condições do Trabalho

Sugerir correcção
Ler 7 comentários