Singela declaração de amor ao Vinhão

Se calhar, o problema não está no vinho, está em quem o consome fora do seu contexto. Por mim, estando no Minho, nunca fujo a um Vinhão. Como dizia o meu sogro, “na terra dos lobos, uiva com eles”

Foto
QUINTA DOS LEOES PRODUTOR DE VINHO VERDE TINTO VINHAO Adriano Miranda

Foi há quase 40 anos, num tempo em que bastava ter o 12.º ano para poder dar aulas. Por sugestão de um amigo, candidatei-me a um pequeno horário na Escola Agrícola de Molares, junto a Celorico de Basto, e fui professor de Geografia durante um ano. No primeiro dia, demorei quase sete horas a chegar. Tive que ir na carreira do Cabanelas desde Alijó até ao Pinhão e seguir depois de comboio pela linha do Douro até Livração, onde apanhei o velho pouca-terra da linha do Tâmega que terminava em Arco de Baúlhe – cerca de 51 quilómetros de dolência e contemplação pastoril. A caminho de Celorico, já depois de Amarante, quase que dava para sair e apanhar o comboio alguns quilómetros mais à frente. Foi a minha primeira viagem a sério pela paisagem minhota.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários