O Trio em Mi Bemol, ou Rita Azevedo Gomes a fazer-se à comédia

Adaptação da única peça do cineasta Éric Rohmer, o novo filme da autora de A Portuguesa, com estreia no festival de Berlim, é uma “comédia do recasamento”.

festival-cinema-berlim,alexandre-alves-costa,mozart,cinema,culturaipsilon,alvaro-siza,
Fotogaleria
"O Trio em Mi Bemol" (estreia mundial na secção paralela Forum) é um “conto das quatro estações” cortesia berlinale
festival-cinema-berlim,alexandre-alves-costa,mozart,cinema,culturaipsilon,alvaro-siza,
Fotogaleria
Encontro entre dois antigos amantes (Rita Durão e Pierre Léon) cortesia berlinale
festival-cinema-berlim,alexandre-alves-costa,mozart,cinema,culturaipsilon,alvaro-siza,
Fotogaleria
"Trio em Mi Bemol" chegou a ser pensado para um projecto de “teatro radiofónico” cortesia berlinale

“Porque é que Éric Rohmer escreveu uma única peça e lhe chamou O Trio em Mi Bemol e passa o tempo à volta de Mozart?” A esta pergunta, que Rita Azevedo Gomes faz retoricamente ao PÚBLICO, podemos juntar uma outra: porque é que a cineasta portuguesa, autora de A Portuguesa, A Vingança de uma Mulher e Correspondências, se deixou seduzir por esta peça e decidiu filmá-la do modo como a filmou?

Sugerir correcção
Comentar