Comunidade Israelita do Porto tem lucros milionários com nacionalidade portuguesa

Advogado Francisco de Almeida Garrett é a figura proeminente da comunidade judaica portuense. É sobrinho de Maria de Belém, a proponente da lei que permitiu a atribuição da nacionalidade portuguesa a judeus sefarditas. Responsáveis da CIP têm lucros privados com o negócio da cidadania.

Foto
Museu Judaico do Porto na Sinagoga Kadoorie Mekor Haim, a maior sinagoga da Peninsula Ibérica Rita França

Os gabinetes do primeiro-ministro, António Costa, e da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, receberam uma carta de alerta a 20 de Janeiro de 2016. A Comunidade Israelita do Porto (CIP) advertia para a possibilidade da ancestral Comunidade Judaica de Belmonte, descrita como “uma comunidade de judeus muito pobres (sempre foram feirantes e pequenos lojistas) que nunca teve recursos económicos sequer para contratar um rabino”, recorrer à fraude se autorizada pelo Governo a certificar descendentes de judeus sefarditas para efeitos de obtenção da nacionalidade portuguesa.

Sugerir correcção
Ler 147 comentários