Raised By Wolves, uma série estranha, regressa para mais sci-fi desconcertante

Desde a pandemia, muitas séries exploram o espaço sugerindo fuga — da Terra, da realidade. Raised By Wolves, com a marca Ridley Scott, é dominada pelos andróides e religião e não tem medo de “momentos ‘que raio?’”, como diz um dos seus protagonistas. Actores e autor falam do futuro ao PÚBLICO.

Amanda Collin plays “Mother,” the other half of the couple tasked with rebooting the human race. MUST CREDIT: Coco Van Oppens�
Fotogaleria
Amanda Collin como Mother em "Raised By Wolves" Coco Van Oppens/HBO Max
series-,ficcao-cientifica,hbo,ridley-scott,televisao,culturaipsilon,
Fotogaleria
series-,ficcao-cientifica,hbo,ridley-scott,televisao,culturaipsilon,
Fotogaleria
series-,ficcao-cientifica,hbo,ridley-scott,televisao,culturaipsilon,
Fotogaleria

Há um ano e meio, já dentro do copo medidor com a risca “pandemia” ultrapassada mas ainda longe de estar cheio, a televisão americana parecia estar a exprimir uma qualquer vontade de fugir daqui para fora — daqui, leia-se, do planeta Terra. Uma dessas séries era Raised by Wolves, talvez a mais estranha de todas as ficções televisivas da era covid sobre a exploração espacial, que vinha com a marca e a promessa de Ridley Scott. Esta sexta-feira, regressa para a segunda temporada depois de um final desconcertante. “Por estranho que pareça, foi sempre o plano acabar assim a primeira temporada e foi como vendi a história ao Ridley”, diz ao PÚBLICO o autor Aaron Guzikowski. “Foi todo um momento ver de facto aquilo acontecer, porque é um conceito tão... fora.”

Sugerir correcção
Comentar