“É uma tortura.” Seca e produção eléctrica puseram à vista aldeia submersa no Alto Lindoso

A disponibilidade hídrica da albufeira de Alto Lindoso atingiu, em Janeiro, um mínimo histórico de 14%, abaixo do limiar de risco. Além da falta de chuva, a produção eléctrica pode ajudar a explicar o recuo das águas, que pôs à vista a antiga aldeia de Aceredo, em Ourense, na Galiza.

JSN Jose Sergio -27 de Janeiro 2022- Portugal
Albufeira do Alto Lindoso. Seca
Antiga aldeia de Aceredo
�ok
Fotogaleria
A aldeia de Aceredo está a descoberto há três meses José Sérgio
JSN Jose Sergio -27 de Janeiro 2022- Portugal
Albufeira do Alto Lindoso. Seca
Antiga aldeia de Aceredo
�ok
Fotogaleria
A aldeia de Aceredo está a descoberto há três meses José Sérgio
JSN Jose Sergio -27 de Janeiro 2022- Portugal
Albufeira do Alto Lindoso. Seca
Antiga aldeia de Aceredo
�ok
Fotogaleria
A aldeia de Aceredo está a descoberto há três meses José Sérgio

Maria Bermudez, de 64 anos, não se recorda da última vez que conseguiu ver a sua antiga casa durante tanto tempo consecutivo. A habitação onde nasceu e viveu durante 34 anos foi submersa em 1992, na sequência da construção da Barragem de Alto Lindoso, pela EDP, no rio Lima, a qual obrigou os mais de cem habitantes da aldeia de Aceredo, no município de Lóbios (Ourense, Galiza), a abandonarem as suas casas. Agora, Maria está na zona alta da margem, na chamada “Nova Aceredo”, localidade onde ainda resistem 12 casas de antigos moradores da pequena aldeia.

Sugerir correcção
Ler 41 comentários