O tempo não cura nada

Romance controverso que, mais uma vez, à semelhança do que acontecera com os livros de Knausgård, levantou a questão ética de os escritores usarem factos reais com pessoas reais sem a permissão destas.

Foto
Vigdis Hjorth confronta a sociedade com as suas deformidades

A escritora norueguesa Vigdis Hjorth (Oslo, 1959), ao escrever Herança — para além de outras motivações mais ou menos controversas que serão sempre adjacentes ao romance —, parece ter tentado responder a algumas questões: Como é que aquilo que calamos, e que por vezes pretendemos que não existe, se arruma nos abismos da nossa memória? E ainda: Que efeitos deixa nas nossas vidas, de uma forma ou de outra, aquilo que somos “obrigados” a calar?

Sugerir correcção
Ler 1 comentários