As cabalas de Sócrates sem contraditório

O Conselho Superior da Magistratura é acusado de encobrir a ação criminosa de um juiz e não responde? Um dever de reserva assim é ingénuo e anacrónico.

Há dias, pela enésima vez, entrou-nos em casa, pela televisão, o arguido Sócrates, a repetir a cansativa ladainha da vitimização. Veio com a agressividade de sempre para assustar o jornalista e tornear as perguntas incómodas. Daquela maneira ensaiada, que se topa à distância, falou-nos de monstruosas cabalas, tudo para dizer que, afinal, o criminoso é o juiz e o arguido a vítima. Cinicamente, quem tanto se queixa da condenação sumária na praça pública, não hesita em usar o mesmo palco para sustentar a sua acusação contra um juiz e uma funcionária de justiça e para os fulminar sem defesa.

Sugerir correcção
Ler 54 comentários