Na Alemanha e nos Países Baixos não há “disparidades no acesso à saúde, sejas rico ou sejas pobre”

Ao contrário do que acontece em Portugal, na Alemanha e nos Países Baixos todos os utentes têm médico de família. Os sistemas assentam em contribuições através de planos de saúde obrigatórios. Mas importa também não esquecer a diferença salarial em relação aos dois países, onde os salários mínimos são pelo menos o dobro do português.

Foto
A organização do sistema de saúde é um dos temas em debate na campanha das legislativas BENOIT TESSIER

Na Alemanha e nos Países Baixos todos os cidadãos têm médico de família e são, além disso, obrigados a ter um seguro de saúde que permite o mesmo acesso a cuidados. Esta é a descrição que seis portugueses emigrados em ambos os países fazem ao PÚBLICO em relação aos cuidados de saúde que encontram naqueles países. Em Portugal, o cenário é diferente: 1,1 milhões de utentes não têm médico de família. Mas há quem defenda a reforma do Sistema Nacional de Saúde (SNS), num modelo no qual o serviço público e privado possam andar de mãos dadas.

Sugerir correcção
Ler 75 comentários