Em 2021, o crescimento da Netflix não foi o esperado – e isso está a animar os mercados

O gigante do streaming registou o seu crescimento mais baixo desde 2015 e viu as suas acções caírem 20%. A concorrência esfrega agora as mãos, ávida de arrebatar os subscritores que a plataforma deixou fugir.

audiovisual,cultura,netflix,disney,televisao,culturaipsilon,
Fotogaleria
"Squid Game", a série sul-coreana que se estreou na Netflix a 17 de Setembro de 2021, tornou-se num ápice um inequívoco fenómeno mundial
audiovisual,cultura,netflix,disney,televisao,culturaipsilon,
Fotogaleria
A alta sociedade londrina do início do século XIX conquistou com "Bridgerton"

O ano de 2020, que coincidiu com a declaração global da pandemia, foi excepcionalmente bom para a Netflix. Foi, aliás, o seu melhor ano de sempre em termos de crescimento. O serviço de streaming somou 37 milhões de novos subscritores e vários êxitos que foram dos mais discutidos da altura (foi o ano de Tiger King, The Queen's Gambit ou Bridgerton, por exemplo). Já 2021, pelo contrário, não foi tão bom, tendo o gigante do entretenimento angariado apenas 18,2 milhões de subscrições, pouco mais de metade do registo do ano anterior. A tendência crescente dos anos anteriores foi portanto interrompida: seria preciso recuar até aos 16,4 milhões de assinantes conquistados em 2015 para encontrar um ano com um crescimento comparável.

Sugerir correcção
Ler 6 comentários