Nesta biblioteca o silêncio é irrelevante e o que mais conta não são os livros

A Deichman Bjørvika é tudo menos uma instituição convencional e é por isso que lhe chamam “biblioteca do futuro”. Lá dentro “encontro” é palavra-chave e a leitura é só um pretexto para muitas outras coisas. E se pudesse ir à biblioteca para coser à máquina ou gravar um podcast num estúdio profissional?

bibliotecas,biblioteca,culturaipsilon,arquitectura,livros,noruega,
Fotogaleria
Vista geral do interior da biblioteca Erik Thallaug
bibliotecas,biblioteca,culturaipsilon,arquitectura,livros,noruega,
Fotogaleria
O novo edifício sede da Deichman é um dos marcos arquitectónicos da Oslo contemporânea Nicholas Vogt
bibliotecas,biblioteca,culturaipsilon,arquitectura,livros,noruega,
Fotogaleria
No interior, são muitos os espaços lúdios para os leitores mais novos Gatis Rozenfelds

Cresci com a ideia de que nas bibliotecas o silêncio é um dado adquirido, como os livros. Comecei a frequentá-las com amigos e colegas de liceu, cientes de que qualquer tentativa de trabalhar em grupo, mesmo falando muito baixo, seria prontamente desencorajada pelos funcionários. Hoje o cenário nas bibliotecas públicas portuguesas é já bem diferente, com algumas a assumirem o seu papel de pólos de dinamização da comunidade muito para além da leitura, mas nenhuma das que conheço, com maiores ou menores responsabilidades, tem uma dinâmica semelhante à Deichman, em Oslo.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários