Um Wagner discreto e um Mahler exuberante

Hannu Lintu fez um óptimo trabalho com a partitura de Mahler e com a Orquestra Gulbenkian, que se traduziu numa interpretação coesa e plena de energia rítmica, e o timbre belíssimo e inconfundível da soprano Karita Mattila brilhou em várias passagens.

Foto
Timbre belíssimo e inconfundível de Karita Mattila brilhou em várias passagens numa interpretação cuidadosa Jorge Carmona/ Calouste Gulbenkian

Depois de um longo período pautado por concertos breves sem intervalo e por formações instrumentais e vocais mais reduzidas, de forma a garantir o distanciamento entre os músicos, o palco do Grande Auditório Gulbenkian voltou na semana passada a receber uma orquestra de amplas dimensões para interpretar os Wesendonck Lieder, de Wagner, com a soprano Karita Mattila como solista, e a Sinfonia nº1, de Mahler, sob a direcção de Hannu Lintu. Os programas retomaram também o modelo em duas partes e a duração que tinham habitualmente antes da pandemia.

Sugerir correcção
Comentar