Ferro Rodrigues recomenda voto antecipado e lembra que “votar é defender a democracia”

Em mensagem divulgada este sábado, o presidente da Assembleia da República apela ao voto nas legislativas e recomenda o recurso à modalidade do voto antecipado.

Foto
Presidente da Assembleia da República lembra que "votar é um direito e um dever" LUSA/RODRIGO ANTUNES

O presidente da Assembleia da República portuguesa, Eduardo Ferro Rodrigues, apelou este sábado ao voto nas eleições legislativas de dia 30, lembrando que “votar é defender a democracia”, e recomendou que os eleitores optem pelo voto antecipado. “Neste final de mandato, e num dos últimos actos enquanto presidente da Assembleia da República, quero apelar ao sentido cívico das portuguesas e dos portugueses para que não deixem de exercer o seu direito de voto”, sublinhou.

O apelo foi deixado por Ferro Rodrigues numa mensagem publicada este sábado na página da Assembleia da República, na qual salienta a importância do voto, recordando que está em causa um “direito que tanto custou a conquistar”. Referindo que “só em democracia é possível escolher”, o presidente da Assembleia da República escreve, por outro lado: “votar é defender a democracia e exercer, em plenitude, a nossa cidadania”.

Falando sobre o actual contexto pandémico, Ferro Rodrigues admite o constrangimento imposto pelas restrições em vigor, mas ressalva que as eleições antecipadas de 30 de Janeiro não são as primeiras que se realizam em plena pandemia da covid-19.

“Esta é uma situação que já vivemos, faz exactamente um ano, numa altura em que os efeitos da pandemia eram mais acentuados e gravosos, tendo, não obstante, o ato eleitoral de então decorrido com total normalidade, salvaguardando-se, em simultâneo, a segurança e a saúde de todos”, lembra.

Perante o cenário actual, Ferro Rodrigues recorda a possibilidade de votar antecipadamente, através do chamado voto em mobilidade, no dia 23, e apela a que os eleitores optem por essa modalidade, de forma a prevenir concentrações nas assembleias de voto e o impedimento de ir às urnas no dia das eleições por se estar em isolamento.

“Seja em que modalidade for, reitero o meu apelo a todas as portuguesas e a todos os portugueses para que não deixem de participar no próximo ato eleitoral”, salienta. E conclui: “Votar é um direito e um dever. Não exercer esse direito é deixar em mãos alheias a escolha que só a cada um pertence. A escolha do nosso futuro individual e colectivo”.

As eleições legislativas antecipadas realizam-se no dia 30 de Janeiro. O voto antecipado em mobilidade acontece no dia 23 de Janeiro e os eleitores podem inscrever-se para essa modalidade nos dias 16 e 20 de Janeiro.