Morreu Ricardo Bofill, o pós-moderno que sabia que a arquitectura não salva o mundo

Fundador do Taller de Arquitectura de Barcelona e de um atelier em Paris, era um “arquitecto-estrela”, com obras espalhadas por todo o mundo. É dele o edifício do Atrium Saldanha, em Lisboa. Tinha 82 anos e levou-o a covid-19.

barcelona,urbanismo,culturaipsilon,arquitectura,lisboa,espanha,
Fotogaleria
Ricardo Bofill em 1993 Sergio Gaudenti/Sygma/Getty Images
barcelona,urbanismo,culturaipsilon,arquitectura,lisboa,espanha,
Fotogaleria
Ricardo Bofill (à direita) com o ex- primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero na inauguração do novo terminal do aeroporto de Barcelona Albert Gea/Reuters

Ricardo Bofill, o arquitecto-estrela que se tornou num dos mais populares expoentes da escola pós-modernista, morreu esta sexta-feira, aos 82 anos num hospital de Barcelona, vitimado pela covid-19. O arquitecto, que impulsionou o movimento da chamada Escola de Barcelona, onde fundou o seu Taller de Arquitectura (RBTA), é o autor do edifício Atrium Saldanha, em Lisboa, e também projectou obras para a ilha da Madeira.

Sugerir correcção
Comentar