De Animal Collective a Beach House: barcos que nos levem a outro lugar

Time Skiffs, dos Animal Collective, e Once Twice Melody, dos Beach House, surgem no horizonte de 2022 como refúgio seguro nesta incerteza paralisante que teima em se perpetuar.

Foto
Hisham Bharoocha

Não é que tenham estado parados, mas o tempo deixou de certa forma de ser o tempo deles, pelo menos como o fora na primeira década do século e no início da seguinte, quando o seu som e imaginário se tornaram presença tanto palpável quanto subliminar, vozes erguidas em uníssono, arpejos de sintetizador, luminosidade pop extraída de experimentalismo das margens a alastrar por todos os recantos do cenário musical. Luz curiosa aquela dos Animal Collective, intrigante mas calorosa, raio de esperança em tempos sombrios, mas não tão sombrios como se tornariam depois — mas isso não sabíamos então. Sabemo-lo agora e, talvez por isso, na entrada para o ano do vírus, parte 3, Prester John, que chegou em Outubro, e Walker, a canção homenagem a Scott Walker, revelada a meio de Dezembro, nos soem tão próximas, tão reconfortantes.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários