“Uma democracia coxa com medos do passado”?

Nos últimos meses o vice-almirante não parou de fazer política. É totalmente política a insistência com que promoveu toda esta escalada semântica e simbólica de chamar guerra à luta contra a pandemia, descrevendo-a com linguagem marcial.

“[Sou] conhecido por ter uma ambição desmedida (...). Podem dizer isso, que tenho fome de vencer e que sou muito ambicioso”. Foi neste registo que, em entrevista ao Expresso, o novo chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), Gouveia e Melo, terminou o ano, ascendendo ao topo da hierarquia daquele ramo das Forças Armadas num processo classificado pelos seus pares como um “enorme erro” e "desastrado” (tenente-general Garcia Leandro, PÚBLICO, 30/12/2021).

Sugerir correcção
Ler 5 comentários