Grada Kilomba e o “politicamente correcto” multiculturalista

A polémica em curso radica-se tão-só no facto de a) a artista ser dada à partida como a escolhida e tal não ter sucedido e de b) ela ser mulher e afro-descendente, o que fez soar as trombetas do discurso identitário hiperbólico.

Foto
Grada Kilomba era uma das concorrentes a representar Portugal na Bienal de Arte de Veneza em 2022 João Hasselberg

A polémica da não-escolha de uma artista de origem africana, Grada Kilomba, para ser a “representante” de Portugal na Bienal de Arte de Veneza estalou com estrondo no mundo da arte e transbordou de modo sem precedentes para o espaço público.

Sugerir correcção
Ler 76 comentários