A Cinemateca mostra uma história do cinema português com vista para o mar

Projecto FilMar associa-se à iniciativa O Dia Mais Curto com uma selecção de sete curtas-metragens, entre o documentário, a ficção e a animação.

cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,curtas-vila-conde,islandia,luxemburgo,
Fotogaleria
Tráfego e Estiva, de Manuel Guimarães Cinemateca Portuguesa/Museu do Cinema,Cinemateca Portuguesa/Museu do Cinema
cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,curtas-vila-conde,islandia,luxemburgo,
Fotogaleria
A Boca do Inferno, de Henry W. Short Cinemateca Portuguesa/Museu do Cinema
cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,curtas-vila-conde,islandia,luxemburgo,
Fotogaleria
... E Era o mar, de José Fonseca e Costa Cinemateca Portuguesa/Museu do Cinema
cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,curtas-vila-conde,islandia,luxemburgo,
Fotogaleria
Náufragos, de Pedro Neves DR
cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,curtas-vila-conde,islandia,luxemburgo,
Fotogaleria
Lascas, de Natália Azevedo Andrade DR

Há uma história do cinema português que pode ser contada através dos filmes, curtas e longas-metragens, que ao longo dos últimos 125 anos foram realizados junto ou sobre o mar. E isso salta à vista na selecção de sete curtas-metragens com que a Cinemateca Portuguesa, através do projecto FilMar, se associa, esta terça-feira, à nona edição da iniciativa O Dia Mais Curto, promovida pela Agência da Curta-Metragem: A Sea Cave Near Lisbon (A Boca do Inferno em Cascais, 1896), de Henry W. Short; …E Era o Mar (1966), de José Fonseca e Costa; Tráfego e Estiva (1968), de Manuel Guimarães; Fado Lusitano (1995), de Abi Feijó; Superfície (2007), de Rui Xavier; Náufragos (2018), de Pedro Neves; e Lascas (2020), de Natália Azevedo Andrade. Dois dos realizadores, Abi Feijó e Natália Azevedo Andrade, estarão presentes na sessão, que terá início às 19h30 na Sala Luís de Pina, em Lisboa.

Sugerir correcção
Comentar