Como a moda está a ajudar a rejuvenescer as cidades

A população envelhecida e o abandono de algumas áreas urbanas são desafios a que cidades como Londres estão a responder com o dinamismo da indústria da moda. Uma estratégia também adoptada pela Câmara Municipal do Porto, com a aposta no desenvolvimento económico com base nas indústrias criativas, como foi revelado na conferência internacional MODAPORTUGAL “Ensino de Moda & Regeneração Urbana”.

Foto
@MODAPORTUGAL_Louie Thain

Na conferência organizada pelo CENIT – Centro de Inteligência Têxtil com o apoio da ANIVEC, a 2 de Dezembro, o vereador Ricardo Valente da Câmara Municipal do Porto, indicou que está a ser preparada uma estratégia de desenvolvimento económico, na qual as indústrias criativas estarão em destaque. Um dos projectos que já se enquadra nessa estratégia é a reconversão e exploração do antigo Matadouro Industrial do Porto, um investimento superior a 40 milhões de euros que irá dar uma renovada projecção à zona oriental da cidade. “Queremos ser uma cidade criativa, mas na ideia de querermos construir uma indústria”, disse Ricardo Valente.

O Porto quer igualmente atrair novos talentos da moda. “Obviamente que neste momento não podemos competir com Londres, não podemos competir com Paris, não podemos competir com Milão, por isso estamos a tentar encontrar o nosso espaço”, afirmou o vereador.

Cidades como Bilbau têm investido na moda como forma de rejuvenescer os bairros mais envelhecidos. Yesenia San Juan, directora de relações internacionais da unidade Creative Cities, da University of the Arts London, explicou que têm sido criados programas junto das universidades “que têm impacto socialmente”, como design de produto, a pensar nas gerações mais velhas, na incorporação de tecnologia na cadeia de abastecimento da moda e nas metas de sustentabilidade. A especialista revelou ainda que: “temos grandes ambições para o Porto” em termos das cidades criativas.

Em Londres, a criação do chamado Fashion District envolveu empresários, investidores e académicos. “Trabalhamos em conjunto para embeber a moda em East London e rejuvenescer a área, que tinha estado muito em baixo”, afirmou Emily Webster, community builder do Fashion District de Londres. A preocupação agora é que seja sustentável a longo prazo, quer através do apoio aos negócios lá instalados, quer com o suporte à formação. “Quando pensamos em regeneração, a formação é o mais importante”, refere, [para] “termos a certeza que a moda vai estar inserida em East London por muito tempo”.

Grandes metrópoles mundiais, como Nova Iorque, Paris ou Milão, consideram a moda uma indústria estratégica para o seu desenvolvimento urbano e para a sua projecção internacional”, afirmou César Araújo, presidente da ANIVEC, no encerramento da conferência. “Estou seguro que o Porto tem condições para se posicionar como um hub internacional de moda”​.

Prémios de Excelência Empresarial para 6 empresas

No mesmo dia da conferência, foram atribuídos os Prémio de Excelência Empresarial, numa cerimónia apresentada por Sílvia Alberto, que reuniu empresários e associações da indústria têxtil, de vestuário e moda na Alfândega do Porto, que contou com a presença do Secretário de Estado Adjunto e da Economia, João Neves.

“É muito fácil gostar deste sector. A indústria da moda é a aspiração do nosso comportamento, dos nossos valores, daquilo que queremos ser, de como os outros nos vêem. Por isso, a indústria da moda é tão importante para nós e é tão importante para a nossa economia”, afirmou João Neves.

Sustentabilidade: Cordeiro Campos @MODAPORTUGAL_Louie Thain
E-commerce: Buzina © MODAPORTUGAL _ LOUIE THAIN
Indústria 4.0: IMPETUS © MODAPORTUGAL _ LOUIE THAIN
Investimento: Valérius © MODAPORTUGAL _ LOUIE THAIN
Volume de Negócios: FAPOMED © MODAPORTUGAL _ LOUIE THAIN
Exportação: Barata Garcia © MODAPORTUGAL _ LOUIE THAIN
Prémio Especial MODAPORTUGAL 2021: projecto que permitiu a criação e a concretização dos fardamentos para o Pavilhão de Portugal da Expo Dubai, que juntou 11 empresas: Belcinto, Calvelex, Carité, Lameirinho, Marfel, Paulo de Oliveira, Polopiqué, Riopele, Trotinete, Twintex e Vandoma © MODAPORTUGAL _ LOUIE THAIN
Fotogaleria
@MODAPORTUGAL_Louie Thain

“É importante realizarmos um evento como este para destacarmos as melhores práticas empresariais nacionais em áreas tão distintas como a sustentabilidade, a indústria 4.0 e o e-commerce. Portugal tem uma indústria inovadora de excelência que merece ser distinguida publicamente numa cerimónia como esta”, afirmou Luís Hall Figueiredo, presidente do CENIT.

Designers internacionais competem no Porto

O dia ficou marcado, ainda, pela final do MODAPORTUGAL Fashion Design Competition com a presença das mais reputadas escolas de moda europeias. Entre os 18 designers a concurso, o grande vencedor foi o português Tiago Bessa, do Modatex Porto, eleito por um júri internacional. Por país, os vencedores foram Juha Vehmaanperä, da Aalto University (Finlândia), Mathieu Goosse, do Instituit Français de la Mode (França), Paulo Mileu, da Polimoda (Itália), Claire Lefebvre, da Head Genève (Suíça) e Jessica Zhou, do London College of Fashion (Reino Unido).

Estes designers tiveram ainda a oportunidade de visitar as empresas PEDROSA&RODRIGUES, RDD DESIGN CENTRE, RIOPELE e VALÉRIUS 360 RECYCLING CENTRE.

Foto
O grande vencedor da MODAPORTUGAL Fashion Design Competition foi o português Tiago Bessa © MODAPORTUGAL _ LOUIE THAIN

As três iniciativas integram os programas de acção dos projectos Global.MODAPORTUGAl 20/22 e IN-MODAPORTUGAL 4.0, cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização, do Portugal 2020.

Sugerir correcção
Comentar