A imaginação do futuro (I)

O ceticismo com que os jovens olham para o futuro em Portugal é o mesmo com que imaginam ter filhos num país em que tê-los multiplica o risco de pobreza.

Numa eleição democrática, as escolhas dos cidadãos dependem quer da avaliação que fazemos da realidade social, quer da imaginação que temos do futuro. Muito mais do que publicidade vazia com que os partidos dominantes nos vendem os seus líderes, e coisas tão abstratas como a liderança e a competência, numa eleição conta a imaginação do futuro, o otimismo ou o pessimismo com que a construímos, a ansiedade e o medo ou, pelo contrário, a confiança e a determinação com que vivemos e construímos as nossas vidas. É o que discutirei no meu texto de hoje e naquele que (excecionalmente) publicarei daqui a uma semana.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários