Um Tchékhov em lume brando

Tiago Rodrigues propõe uma versão clara e plácida para a peça terminal de Tchékhov, mas, aos poucos, é como se a peça perdesse energia, arrastando-se até ao final numa serenidade contraditória com a turbulência dos acontecimentos em cena.

Foto
"O Cerejal" quando da sua apresentação no Festival de Avignon, em Julho de 2021 Christophe Raynaud de Lage / Festival de Avignon

É grande a festança que celebra o regresso de Liubov Andréievna. Músicos à frente, anunciando a proprietária e o seu séquito de familiares, abrindo alas entre criados e, digamos, amigos com interesse. Um bosque de lustres inundando o palco. Enfim, muito barulho, muita comoção, muita memória aflorando em turbilhão, muita alegria… A bem dizer, para nada, pois o motivo do retorno, muito mais do que as saudades após cinco anos de ausência, é a falência da protagonista e a necessidade de vender a propriedade.

Sugerir correcção
Comentar