Entre O Sexo e a Cidade e a nova série And Just Like That... passaram 20 anos de celebração e críticas

Carrie, Miranda, Samantha e Charlotte despediram-se no ano em que nascia o Facebook. Regressam — sem Samantha — para um mundo com Tinder, já com 50 anos e com amigas de várias etnias. Episódio duplo da nova série And Just Like That... estreia-se esta quinta-feira na HBO Portugal.

Foto
Cynthia Nixon, Sarah Jessica Parker e Kristin Davis em "And Just Like That..." HBO

Houve um tempo em que O Sexo e a Cidade era um raro retrato da amizade feminina citadina, uma invulgar série protagonizada por mulheres na casa dos 30 e 40 anos, uma pedrada no charco da conversa sexual nos mass media. Foi um tempo facilmente datável: o período entre 1998 e 2004, ano de estreia e ano em que a sexta temporada da série protagonizada por Sarah Jessica Parker se despediu da HBO. Depois, dois filmes não fizeram muito pela reputação de O Sexo e a Cidade, uma série influente e simultaneamente uma das mais desvalorizadas ou revisitadas pela crítica para recordar quão branca, magra e irrealista era. Quase 20 anos depois, And Just Like That... é a nova série que devolve as amigas (menos uma) à cidade e lhes acrescenta uma dose de 2021 — a estreia vem rodeada de um certo secretismo à medida de uma série que acabou no ano em que nascia o Facebook.

And Just Like That... estreia-se esta quinta-feira na HBO Portugal com Sarah Jessica Parker, Cynthia Nixon e Kristin Davis como protagonistas e produtoras executivas. E com a notória ausência de Kim Catrall, a actriz que punha o sexo em O Sexo e a Cidade e cujo desinteresse em voltar à personagem de Samantha se aliou à querela pública com Parker para a manter a leste deste reboot do franchise criado por Darren Star e Michael Patrick King com base nas crónicas de Candace Bushnell. Elas — Carrie, Miranda e Charlotte — agora estão na casa dos 50 anos e a sua amizade é povoada por mais do que cocktails Cosmopolitan e sapatos de marca nas ruas de Nova Iorque.

Foto
"O Sexo e a Cidade" hbo

O elenco inclui agora as actrizes Sara Ramírez, Sarita Choudhury, Nicole Ari Parker e Karen Pittman, diferentes tons de pele e contextos de sexualidade, novas amigas na cidade e uma espécie de resposta a uma das críticas mais comuns à série: a sua brancura numa cidade profunda e visivelmente multicultural. Para lhes dar igual espaço, e descentrar a série do habitual monólogo de Carrie, os episódios passaram de meia hora para cerca de 45 minutos de duração.

nicole ari parker
sara ramirez
sarita choudhury
karen pittman
Fotogaleria

Em 1998, O Sexo e a Cidade ajudou a criar a marca HBO. Agora, é para dar uma força ao seu serviço de streaming (é uma série HBO Max, chancela que em 2022 substituirá a HBO Portugal no mercado nacional) com a ajuda da nostalgia que regressa, mostrando apenas os quatro primeiros episódios horas antes da estreia a alguma imprensa internacional e guardando cuidadosamente a conversa sobre And Just Like That... para depois de serem vistos os dois primeiros episódios nesta quinta-feira; a partir daqui, estreia-se um novo episódio por semana.

Foto
"And Just Like That... HBO

Mulheres de 50 anos

A sua revolução, desta vez, é a da idade — para começar. É essa a bandeira que o autor, Michael Patrick King, agita ao New York Times numa das raras entrevistas publicadas antes da estreia. “Acho que ninguém pegaria em novas personagens de mulheres de 55 anos sem a prova de que as pessoas iam ver”, diz o autor sobre uma das motivações de regressar ao filão Sexo e a Cidade.

A pandemia fez o resto, que foi pôr Parker e King à conversa sobre fazer um podcast sobre os bastidores da série original; acharam melhor regressar à televisão.

Foto
Parker e Chris Noth (Mr. Big), que regressa para a nova série HBO

Nos quase 20 anos passados sobre o fim da série em que um vibrador coelhinho, um buraco na estrada como antevisão de sexo anal ou o fim de uma relação através de um post-it foram pequenas grandes histórias, o espaço mediático das séries americanas foi ocupado por outras mulheres, mais jovens (Girls ou a prequela de O Sexo e a Cidade The Carrie Diaries) ou já mais velhas (Cougartown, On the Verge). And Just Like That... chega com a força da marca deixada pelas mulheres solteiras, libertadas e sexualizadas de há 20 anos ao mundo do Tinder, do envelhecimento e da fluidez de género. É também um mundo que reclamou do amigo gay como acessório ou das pessoas trans como prostitutas nos argumentos, do apartamento e guarda-roupa impossíveis de Carrie Bradshaw, do final em que tudo se resumiu a um homem.

“Mas até a esse tropeção do último minuto foi televisão acutilante e iconoclasta”, lembrava em 2013 a crítica da revista New Yorker Emily Nussbaum, numa defesa de como O Sexo e a Cidade é injustiçada perante vizinhas de estação como Os Sopranos na sua valorização. Há algo de sexista nisso, quando se elogiam os “homens difíceis” de Tony Soprano ou Mad Men e se esquece a evolução das personagens de O Sexo e a Cidade, argumentava Nussbaum. “Altamente feminina em vez de masculina de forma fetichista, brilhante em vez de arenosa”, argumenta, foi uma série “radical” que criou, sem reconhecimento, “a primeira anti-heroína da televisão: senhoras e senhores, Carrie Bradshaw”.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários