A reacção repugnante de um ministro

Eduardo Cabrita exibiu perante o país uma horrenda falta de empatia pelos destinos da vítima e do homem que o servia como motorista. Responsabilidade, honra, lealdade ou grandeza moral não couberam na sua reacção.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, deixou esta sexta-feira de ser apenas o ministro que há muito acumulava erros atrás de erros, desleixos atrás de desleixos, muita falta de sentido de Estado ou o mínimo de condições políticas para se manter no cargo. A sua reacção à acusação do Ministério Público ao seu motorista tornou-o um ministro indigno do cargo que ocupa. Um político que envergonha a República. Dizer o que disse, que a acusação mostrava o “Estado de direito a funcionar” e resumir desta forma toda a tragédia que vitimou um homem e acusou outro homem sob as suas ordens e ao seu serviço tornam cada dia que permanecer no Governo de Portugal um insulto. Um homem assim, sem qualidades, não pode merecer qualquer condescendência, respeito ou protecção.

Sugerir correcção
Ler 63 comentários