“Especulação” faz disparar preço do papel

Filipe Caldas começou em princípios de Outubro a ser contactado pelos fornecedores da livraria Ideal sobre aumento do custo dos produtos. Duas semanas depois, recebeu indicações de nova subida. Fornecedores justificam com “custos de produção e energia”, mas o empresário também fala em “especulação”.

Foto
Nélson Garrido

A menos de um quilómetro do imponente castelo de Guimarães, em pleno coração do centro histórico da cidade, a livraria Ideal — que, além de livraria, é também papelaria mantém actividade há mais de 40 anos. Abriu portas em 1979, então propriedade de Luís Caldas e Eduardo Coutinho. É o filho do primeiro, Filipe Caldas, que recebe o PÚBLICO ao início da tarde, numa altura de menor movimento na loja em que aproveita para avançar com as decorações de Natal, ainda antes do fim de Novembro.

Sugerir correcção
Comentar