Marcelo vai “esticar o mais possível” dissolução do Parlamento até ao dia 5

Presidente quer ter tempo para apreciar “diplomas fundamentais” que ainda não chegaram a Belém.

Foto
Marcelo Rebelo de Sousa PEDRO NUNES/Reuters

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta terça-feira que vai “esticar o mais possível” a dissolução do Parlamento até ao dia 5 de Dezembro, de forma a apreciar diplomas relacionados com matérias como a corrupção.

“Eu vou tentar esticar o mais possível até ao dia 5 [de Dezembro] porque diplomas fundamentais, como os da corrupção, por exemplo, ainda não chegaram [a Belém]”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à margem de uma visita a uma exposição no Museu Nacional dos Coches, em Lisboa.

Marcelo disse que alguns diplomas poderão chegar já depois de a Assembleia da República estar dissolvida.

“É evidente que quanto mais depressa vierem as leis, menos desconforto existe. Imagine-se que eu discordo de diplomas que são matérias fundamentais, eu digo esses da corrupção, pode haver outros, que chegam vários dias depois de dissolvida a Assembleia. É uma situação desconfortável para todos: para os deputados que votaram, para o Presidente que recebe na hora em que recebe”, explicitou.

O chefe de Estado considerou que estas “não são matérias secundárias, são matérias principais”, admitindo que teria “outro conforto sentindo que chegavam antes de o Parlamento estar dissolvido”.

“Vou apreciar um a um para ver o juízo que merecem”, concluiu.