J.M. Coetzee conversando sobre o mundo sombrio

Foto
EPA/Ricardo Maldonado Rozo

No princípio achou que todos desconfiavam de que ele era apenas mais uma celebridade a visitar aquela prisão de alta segurança construída numa antiga lixeira num dos bairros mais pobres de Buenos Aires, San Martín. Mas todos os anos voltava a sentar-se entre os reclusos cumprindo uma das regras: não perguntar a nenhum deles que crime tinham cometido. A cada ano, a cada visita, reconhecia rostos e também no fim de cada visita despedia-se com um desejo: “espero não vos voltar a ver”. Era a maneira de desejar que se livrassem daquele lugar com um odor nauseabundo permanente onde tinha sido também construída uma universidade, oásis que muitos dos presos podiam frequentar caso tivessem habilitações.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários