Explosão perto de escola na capital da Somália faz pelo menos oito mortos

Ataque foi reivindicado pelo grupo extremista Al-Shabab e tinha como alvo uma comitiva das Nações Unidas.

Foto
Escola destruída em Mogadíscio, depois de um ataque terrorista FEISAL OMAR / Reuters

Pelo menos oito pessoas morreram e mais de duas dezenas ficaram feridas na sequência de uma explosão de grande magnitude na capital da Somália, Mogadíscio, esta quinta-feira.

O ataque ocorreu às primeiras horas da manhã nas imediações de uma escola no centro da cidade e teria como alvo uma comitiva das Nações Unidas que estava a deslocar-se naquela zona. As forças de segurança somalis dizem ter-se tratado de um ataque suicida em que foi usado um veículo fortemente armadilhado.

O ataque foi reivindicado pelo grupo extremista Al-Shabab, ligado à Al-Qaeda, que confirmou a tentativa de visar os funcionários estrangeiros ao serviço da ONU. Ainda não se sabe se algum membro da comitiva morreu ou ficou ferido.

As agências noticiosas descrevem uma enorme coluna de fumo a sair do local da explosão. Foi tão intensa que fez ruir as paredes de uma escola próxima, diz a Reuters. Testemunhas dão conta de uma troca de tiros a seguir à explosão.

“Fomos afectados pela pressão da explosão, e depois ficámos ensurdecidos pelos tiros que se seguiram”, disse à Reuters o enfermeiro Mohamed Hussein, que trabalha num hospital próximo do local.

“As paredes do nosso hospital desabaram. A escola do outro lado também ficou destruída. Não sei quantas pessoas morreram”, disse Hussein.

Um elemento das forças de segurança somalis diz que há pelo menos 11 estudantes entre os feridos.

Há vários anos que as Al-Shabab vêm combatendo as forças somalis e o contingente da União Africana que está presente no país para garantir a segurança do governo local. O grupo fundamentalista quer tomar o poder para impor um regime teocrático, baseado numa interpretação radical da lei islâmica.