Quais são os melhores vinhos da Península de Setúbal?

Com um dos terroirs mais diferenciados de Portugal, os melhores vinhos da Península de Setúbal foram premiados num concurso organizado pela Comissão Vitivinícola Regional. Dos tintos aos brancos e dos rosados aos generosos, estes são os vencedores desta edição.

Foto

Extensa em território e com clima mediterrânico, a Península de Setúbal é uma região de vinhos carismáticos, de personalidade forte e de carácter único. Com um dos terroirs mais diferenciados de Portugal, é daqui que saem alguns dos melhores vinhos nacionais conhecidos pela sua singular relação entre qualidade e preço.

O sabor inesquecível, a par do aroma inebriante, é fruto das particularidades da terra e do vasto conhecimento dos seus produtores. Cada garrafa encerra, em si, os sabores e os saberes de uma região onde fazer o vinho é uma tradição e saboreá-lo é uma experiência inesquecível. Cada brinde com um copo de vinho da região da Península de Setúbal celebra uma cultura e conta uma história repleta de diferentes brancos, rosados, tintos, espumantes, frisantes e licorosos.

Fotogaleria

Da presença de vinhas em terras planas compostas por solos de areia perfeitamente adaptados à produção de uvas de qualidade e da presença de vinhas plantadas em solo argilo-calcários (protegidos do Oceano Atlântico pela Serra da Arrábida), nascem referências que merecem ser premiadas anualmente pela origem, qualidade e genuinidade.

Os premiados do ano

Os melhores da região são distinguidos há 21 anos pela Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal. De entre os 172 vinhos avaliados, de 17 produtores, a XXI edição do Concurso de Vinhos da Península de Setúbal premiou 55 vinhos. O grande vencedor foi o José Maria da Fonseca Moscatel Roxo 20 anos, que recebeu o prémio de Melhor Vinho a Concurso e o Melhor Vinho Generoso. Um vinho de sobremesa que contém um aroma intenso a especiarias e um paladar concentrado e muito frutado.

A Casa Ermelinda Freitas conquistou a medalha de Melhor Vinho Branco com o Terras do Pó Chardonnay & Viognier 2017. Um vinho com cor amarela esverdeada de aroma intenso com notas de frutos tropicais, mel e bem integrado com a madeira. Na boca, é volumoso, refrescante e muito elegante. O título de Melhor Vinho Tinto foi atribuído ao Adega de Palmela Grande Reserva 2017, com aroma a frutos vermelhos evoluindo para algumas notas de compota, tosta e baunilha. É macio e com taninos aveludados, apresentando um final de boca agradável.

Já o prémio de Melhor Vinho Rosado foi para o Bacalhôa Roxo Vinha dos Frades 2020, da Bacalhôa Vinhos de Portugal. Este raro vinho, de cor rosada pálida apresenta um aroma intenso, rico e complexo, com notas florais de rosas e flor de laranjeira. Na boca estas sensações aromáticas são realçadas e intensificadas, que em conjunto com uma boa acidez natural, originam um vinho com um final cheio, muito mineral seco e fresco.

O júri foi composto por um diversificado leque de profissionais ligados ao mundo dos vinhos e à sua análise sensorial em particular, que envolveu docentes de enologia, técnicos especialistas em análise sensorial das várias regiões vitivinícolas portuguesas, enólogos, escanções, jornalistas e membros do painel de prova da ASAE.

Na cerimónia realizada na Quinta de Monsanto, em Lisboa, foram entregues 28 medalhas de ouro e 27 de prata que demonstram a riqueza e diversidade da famosa região. É sinal de que a Península de Setúbal está viva e de boa saúde para promover a produção de vinhos com personalidades distintas, mas com uma qualidade transversal que agrada a todos.

Foto

A região de excelência

“Seremos sempre a região onde se produz um extraordinário vinho generoso, mas temo-nos afirmado também como uma região que dá cartas no mercado nacional e além-fronteiras, na produção de vinhos tranquilos — rosés, brancos e tintos — e isso reflecte-se do ponto de vista da certificação dos vinhos, com as denominações de origem Setúbal, Palmela e na Indicação geográfica Península de Setúbal, bem como no preço médio dos vinhos”, afirma Henrique Soares, Presidente da Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal que, este ano, celebra o seu 30º aniversário.

A verdade é que nenhuma outra região de Portugal tem tantas diferenças geográficas — com a existência de planícies, serras e encostas, além do Sado e Tejo e a proximidade com o Oceano Atlântico — mas as castas da região são adaptadas aos diferentes tipos de solos existentes. Em cada parte, as características ímpares de toda a região da Península de Setúbal resultam numa produção reconhecida nacional e internacionalmente.

Sugerir correcção
Comentar