Violência e amor: uma só palavra para Emma Dante

A partir do universo dos contos de fadas e do teatro popular, a encenadora e dramaturga italiana criou La Scortecata. No CCB (18 a 21 de Novembro) e no TeCA (24 e 25), uma história de seres pobres, brutos e marginais entregues à fantasia.

ipsilon,emma-dante,festival-avignon,festival-almada,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Maria Laura Antonelli
ipsilon,emma-dante,festival-avignon,festival-almada,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Maria Laura Antonelli
ipsilon,emma-dante,festival-avignon,festival-almada,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Maria Laura Antonelli
ipsilon,emma-dante,festival-avignon,festival-almada,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Maria Laura Antonelli

Terá sido o poeta napolitano Giambattista Basile, no século XVII, um dos primeiros autores a reunir um conjunto amplo de contos de fadas num só volume. Juntou-os sob o título Lo Cunto de li Cunti (O Conto dos Contos), também conhecido por Il Pentamerone. Antes dos Irmãos Grimm, de Charles Perrault ou de autores da commedia dell’arte (todos eles tendo pescado nesta obra), Basile juntaria 50 contos cómicos, estranhos, assustadores e grotescos que, segundo a história desfiada pelo autor à laia de introdução, teriam de ser contados por dez mulheres de língua afiada durante cinco dias para quebrar a maldição recaída sobre Zoza – uma princesa que não conseguia rir por mais hilariante que fosse a piada com que o seu pai tentava desesperadamente desmanchar-lhe o cenho impassível.