Minha doença, meu amor

Freud escreveu que a hipocondria era o estado de se apaixonar pela própria doença. E, se repararmos, é mesmo isso que acontece, ainda que a doença seja apenas imaginária. O problema é que esta paixão é tão avassaladora que, muitas vezes, se sobrepõe a tudo e todos.

Glenn Gould nasceu em Toronto em 1932 e aprendeu a tocar piano com a mãe desde tenra idade. Entrou para o conservatório com dez anos, tendo-se dedicado ao estudo de piano e órgão e, alguns anos depois, tornou-se o maior intérprete de Bach de sempre e atingiu recordes de vendas que, até hoje, não voltaram a ser alcançados em música clássica para piano solo. Mas não é sobre a sua genialidade enquanto pianista ou sobre a sua excentricidade que escrevo hoje. Escrevo sobre Glenn Gould como podia escrever sobre Charlotte Brontë, Darwin ou Marcel Proust, todos atormentados por uma hipocondria verdadeiramente castradora.

Sugerir correcção
Ler 15 comentários