“Eleitorado está a mudar à frente das elites políticas”

Com o crescimento da abstenção e a fragmentação do voto, os partidos são obrigados a evoluir no modo como formam governos. Em vez do semipresidencialismo de primeiro-ministro, é preciso que o sistema passe para o modelo das democracias consociativas.

Foto
Há um desfasamento entre as elites políticas e o eleitorado Nuno Ferreira Santos

A não aprovação do Orçamento do Estado para 2022 pelos “parceiros informais do Governo mostra um problema de fundo” do sistema político português, que tem estado “completamente ausente do debate e encoberto pelo frenesim”. Trata-se de “o comportamento das elites políticas não corresponder à vontade do eleitorado”, garante Conceição Pequito, professora de Ciência Política no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP).

Sugerir correcção
Ler 10 comentários